19 junho 2017

Somos pó de estrelas, fomos feitos para brilhar





menina-colhendo-estrelas


O cientista Carl Sagan explicou em seu livro “A Conexão Cósmica” que os seres humanos são feitos de uma matéria extraordinária: pó de estrelas. Em nosso DNA está presente a mesma fibra com a qual são bordadas as estrelas e nebulosas que todas as noites nos inspiram desde o infinito. Portanto, nós também fomos feitos para brilhar e tocar o céu.

Na realidade, esta frase tão poética teve sua origem nos anos 70. Foi a cantora Joni Mitchell quem, com sua inspiradora canção “Woodstock”, acalentou as gerações daquela época que “brilharam como pó de estrelas, como ouro reluzente”. No entanto, tempos depois Carl Sagan deu base científica a esta ideia, demonstrando-nos que em nosso interior, em cada célula de nosso coração ou em cada partícula de cálcio de nossos ossos, está inscrita uma história cósmica.
“Seja humilde porque você foi feito de terra. Seja nobre pois foi feito de estrelas”.   – Antigo provérbio sérvio –
Pensar nisso é, sem dúvida, algo esmagador e acalentador, uma descoberta que, ano após ano, vai se confirmando por meio de diversos trabalhos e estudos. Chris Impey, cientista e professor de astronomia da Universidade do Arizona, nos Estados Unidos, revelou em 2010 que toda matéria orgânica que contém carbono se produziu por uma geração muito antiga de estrelas. Além disso, se levarmos em conta que toda a matéria prima da Terra tem esta mesma origem, devemos assumir que 97% da massa de nosso corpo é formada pelo material das estrelas.

É algo mágico, não há dúvida. Fomos feitos para brilhar, para reluzir como o ouro, para iluminarmos uns aos outros como pó de diamantes. No entanto… por que nos esquecemos de brilhar? Se somos feitos de estrelas, por que não somos mais felizes?

Somos feitos de pó de estrelas, mas às vezes vivemos na escuridão

Quando mais escura está a noite, mais reluzem as estrelas. Em alguns casos, basta ir a uma janela e admirar o infinito para encontrar ânimo e inspiração. O mundo dos astros, com seus ciclos, seus movimentos, sua música silenciosa e sua beleza cósmica, sempre serviu de referência para a humanidade em muitas áreas e disciplinas relacionadas à agricultura, às ciências e inclusive à espiritualidade.

No entanto, e aqui está a verdadeira magia do assunto, nos limitamos a ver desde sempre este plano relativo aos astros como algo distante e, inclusive, superior a nós mesmos. É o momento de entender, de vislumbrar e de assumir que somos um todo, que esta matéria astral está, por sua vez, integrada a cada fragmento de nosso ser.

Nós também temos pequenos pedacinhos de estrelas em nossos tecidos, astros muito antigos daquele renascer cósmico que nos outorga, portanto, um poder e uma capacidade: a de brilhar em qualquer cenário, situação ou momento adverso, independentemente de quão escuro estiver tudo que nos envolve.

Não é fácil, sabemos. As pessoas costumam navegar com muita frequência pelos oceanos da escuridão, pelas marés da infelicidade perpétua e pelos áridos territórios onde não crescem mais as sementes do amor próprio. É uma realidade muito dura, tanto que, como mero exemplo desta escuridão do ser humano, podemos falar sobre um jogo perverso que foi tema de várias notícias nos meios de comunicação: o jogo da “baleia azul”.

Este jogo macabro, que teve sua origem na rede social russa VKontakte em 2013, se reproduz agora em todo o mundo através de 50 tarefas. As mesmas que, por diversas e complexas razões, atraem centenas de adolescentes em um caminho de autossabotagem, de autolesões e de uma lenta destruição até que finalmente o jovem, em um “suposto” ato de coragem, consegue vencer o jogo acabando com sua vida.

O criador deste jogo sádico é Philipp Budeikin, de 21 anos. Segundo ele, deu forma a este desafio virtual porque, conforme explica, “há pessoas que são resíduos biodegradáveis sem valor algum para a sociedade”. Os psicólogos russos indicaram que por trás das condutas deste jovem e de seus adeptos há raízes mais profundas que oscilam entre o ideológico e o psicopatológico. O mais destacável, o mais preocupante de tudo isso, é a quantidade de pessoas vulneráveis que há por trás de cada dispositivo, cada computador e telefone celular.

São centenas de mentes jovens e de coração frágil que respiram sem sentir esperança, sem ter motivação, alegria, e uma luz com a qual injetar-se vida, respeito por si mesmo e autoestima.

Comecemos a brilhar, por nós e pelos demais

Pense no momento mais feliz da sua vida e desfrute desta recordação. Sorria a um desconhecido. Crie uma playlist de músicas das quais você gosta. Coma uma fruta. Fale com letras de canções. Desenhe um animal imaginário. Procure formas nas nuvens. Faça um novo amigo. Cante no chuveiro…

“ Somos pó de estrelas que pensa sobre as estrelas ”.
- Carl Sagan -

Estas ideias também são desafios, os mesmos que formam o jogo “baleia azul”. São 50 desafios com os quais atrair jovens de todo o mundo, ajudando-lhes a construir uma atitude positiva e a nos afastarmos do jogo oposto, da baleia azul. Até o momento, há 290.000 seguidores e milhares completaram a última prova: salvar uma vida (como ajudar um companheiro de sala que sofre bullying, por exemplo). Esta é uma boa notícia, não há dúvida.

A esperança, nosso afã por ajudar os outros e lutar, por sua vez, pela sobrevivência comum, é algo que caracteriza a grande maioria de nós. Embora seja verdade que com frequência nos esquecemos de como brilhar, sempre há quem estará ao nosso lado acalentando-nos e recuperando nossa força e ânimo.

Se nos esquecermos de que somos formados por pó de estrelas, nossos amigos, parceiro, família ou algum desconhecido de bom coração sempre estarão presentes para acender novamente o fogo dos sonhos e da alegria.

Porque não há nada como acariciar a alma de uma pessoa para receber, por sua vez, a grandeza do próprio cosmos.






Resultado de imagem para somos pó de estrela



Imagem relacionada



Imagem relacionada



Resultado de imagem para somos pó de estrela



17 junho 2017

Presidência do Brasil 2018 : Arcano 4 - Imperador - Um grande líder ou um tirano



Resultado de imagem para Arcano 04 - Imperador






Lanceiros Negros : procuram-se os responsáveis pela atrocidade



lanceiros_negros1



lanceiros_negros_-_guilherme_santos_sul_21.jpg


Jeferson Miola


A atrocidade da Brigada Militar [BM] na desocupação do movimento Lanceiros Negros é triplamente abominável.

1. O edifício de propriedade do governo do Estado, localizado no centro de Porto Alegre, foi ocupado pelos Lanceiros Negros em novembro de 2015. Antes disso, por 10 anos este imóvel estatal ficou sem uso e abandonado.

Naquele edifício, dos Lanceiros Negros, convertido num lugar-movimento e transformado numa escola de vida e política, mais de 170 jovens constituíram famílias, geraram as crianças que recém nasceram [ali residia inclusive um bebê de 30 dias], montaram uma biblioteca para si e para seus filhos, definiram regras comunitárias e processos democráticos de deliberação, se integraram com dignidade e respeito à vida no bairro, se tornaram personagens do centro da cidade, enfim, se fizeram luzes indicadoras de que a reurbanização do centro histórico da cidade só é possível quando acolhe e integra com humanidade na sua paisagem o povo simples e trabalhador.

O chefe do Executivo gaúcho, José Ivo Sartori, contudo, insensível a isso tudo, rechaçou com uma burrice cega e preconceituosa este bem sucedido experimento popular de organização social baseado na auto-gestão. Como a inteligência gerencial e a sensibilidade humana do Sartori cabem num tubo de gás pimenta, para ele o assunto é resolvido de maneira simples e prática: bastam cassetetes e balas de borracha.

Sartori simboliza o despotismo; ele representa o método de governar que condena o Estado e o povo gaúcho ao atraso, que faz com que o Rio Grande seja cada vez mais confundido com o arcaísmo e menos com o futuro.

2. Outro poder de Estado, o Judiciário, na pessoa da juíza Aline Santos Guaranha, da 7ª Vara da Fazenda Pública de Porto Alegre, aparentemente também portadora da tendência obtusa de perceber a realidade como o governador Sartori, concedeu ao governo estadual uma muito singular ordem de reintegração de posse.

Ela colocou o bem material acima da garantia da vida humana; fato coerente com a hermenêutica da juíza. Afinal, para ela, as coisas, o trânsito e os prédios valem muito mais que a maioria destas pessoas miseráveis e sem-teto que ela manda desalojar a qualquer hora do dia e da noite com frio e chuva e que recebem, em todo o ano, menos do que a classe da juíza ganha por mês só através de um obsceno auxílio-moradia.

A juíza determinou “o cumprimento da ordem aos feriados e finais de semana e fora do horário de expediente, se necessário, evitando o máximo possível o transtorno ao trânsito de veículos e funcionamento habitual da cidade”, e também autorizou o emprego de violência policial.

Se o Tribunal de Justiça do RS validar “o cumprimento da ordem aos feriados e finais de semana e fora do horário de expediente” e de violência para o desfecho de conflitos sociais, estará validando o arbítrio como resposta aos conflitos existentes no interior da sociedade, o que é típico de regimes de Exceção.

3. A atrocidade da Brigada Militar é raramente vista. A corporação da polícia militar tem uma cadeia de comando que começa no [1] Comandante-Geral da BM, passa pelo [2] secretário de segurança Cézar Schirmer, e termina no [3] governador do Estado, comandante supremo da BM, de acordo com a Constituição Estadual de 1989.

A Brigada foi atroz com os integrantes e com as organizações apoiadoras dos Lanceiros Negros, numa demonstração inequívoca de que a repressão e a truculência substituíram o cérebro.

A BM também foi atroz com a Assembléia Legislativa do RS, que teve um dos seus deputados, o Presidente da Comissão de Direitos Humanos, Jefferson Fernandes, agredido, arrastado, algemado, seqüestrado e enfiado num camburão da BM que circulou pela cidade para finalmente “desová-lo” em frente ao Theatro São Pedro, ao lado da Assembléia Legislativa.

O deputado foi alvejado com bala de borracha na perna, torturado, espancado e xingado enquanto mantido no camburão com outras duas mulheres também presas ilegalmente. Aliás, outra flagrante ilegalidade da BM, de conduzir homens e mulheres no mesmo veículo usado para detenção.

O presidente da Assembléia do RS, deputado Edgar Pretto, PT/RS, traduziu com equilíbrio e precisão a gravidade do ocorrido: “a Assembléia foi violentamente afrontada com prisão do deputado Jefferson Fernandes”.

Passaram-se mais de 24 horas desde que esta atrocidade foi perpetrada e nem o secretário de segurança, Cézar Schirmer, como tampouco o governador do estado, José Ivo Sartori, se pronunciou sobre o atentado à democracia que fica evidenciado na prisão inconstitucional do deputado Jefferson Fernandes.

Esta atrocidade obedeceu uma cadeia de comando, do Judiciário ao Executivo, num ataque frontal e duplo à soberania popular: reprimindo o povo diretamente na desocupação, e atacando a soberania popular representada no mandato parlamentar.

Estivéssemos vivendo um Estado de Direito, as demissões do comandante-geral da BM e do secretário de segurança seriam os dois últimos atos assinados pelo governador Sartori antes da assinatura da renúncia ao cargo que ele tanto envergonha.


Postado em Luis Nassif Online em 16/06/2017





















Resultado de imagem para desocupação no centro de porto alegre




16 junho 2017

Às vezes, a gente não perde, a gente se livra



Resultado de imagem para a gente não perde a gente se livra


A gente se livra ao ultrapassar os limites de nossa zona de conforto, deixando para trás o que nos pesa inutilmente, o que nos faz mal, o que fere nossa dignidade. Livrar-se é buscar um novo emprego, novos amigos, outras moradas, amores fresquinhos, paisagens inusitadas, emoções desconhecidas.


Marcel Camargo


É impossível enxergarmos os fatos com clareza quando estamos inseridos em meio à roda-viva dos acontecimentos desagradáveis. Geralmente, somos levados ao desespero, à impotência e à certeza de que jamais conseguiremos nos reerguer depois daquilo tudo. Mas o passar dos dias, dos meses, sempre acaba trazendo a lucidez necessária para que possamos encontrar meios de superar os reveses, os quais, vistos ao longo do tempo e a uma distância segura, tomam a real dimensão que possuem, sendo muitos deles verdadeiras bênçãos em nossa jornada. Há perdas, sim, mas também há muitos livramentos, felizmente.

A gente perde quando magoa quem nos ama de verdade, quem caminha ao nosso lado torcendo pelo nosso sucesso e nos ajudando a batalhar por nossa felicidade. Ferir essas pessoas é como machucarmos a nós mesmos, pois fazem parte de nós e de nossa história. Ao nos distanciarmos daqueles que nos dão as mãos com devoção sincera, limitamos as possibilidades de encontrarmos a felicidade.

A gente se livra ao perceber que está perdendo tempo em uma relação sem futuro algum, investindo em alguém que não oferece nada em troca. Recobrar a consciência e a lucidez, para juntarmos forças que nos possibilitem romper e partir em busca do amor de nossas vidas significa procurarmos pela felicidade com que sempre sonhamos. Os sonhos não devem permanecer na cama, mas sim nos acompanhar também enquanto estivermos acordados.

A gente perde quando trava lutas inúteis contra pessoas que não fazem a menor diferença em nossas vidas, tentando provar algo a quem não tem a mínima consideração com o que somos.

Despender energia com aqueles que não fazem questão de tomar parte de nosso caminhar com cumplicidade apenas enfraquecerá nossos ânimos, desviando nossas atenção do que realmente importa, do que nos é vital junto às pessoas certas.

A gente se livra ao compreender que somos falíveis e que bem provavelmente erramos muito, todos os dias. Esse entendimento amenizará nossa carga de culpa, tornando-nos mais leves e propensos a internalizar os aprendizados que vêm com as colheitas. Somente analisando os nossos equívocos, com maturidade e criticidade, é que conseguiremos articular nossas ações, no sentido de não repetir os erros que emperram nossos avanços, em todos os setores de nossas vidas. É preciso carregar somente as bagagens que nos serão úteis, ou nos cansaremos sem ter desfrutado tudo o que merecemos.

A gente perde quando se nega a mudar os hábitos que emperram as mudanças necessárias ao nosso aprimoramento pessoal, que nos intoxicam o físico e o psíquico, minando nossos sentidos e limitando nossa visão de mundo. Nunca é tarde para que deixemos o novo adentrar em nossas vidas, reoxigenando nossos pensamentos, elucidando nossas dúvidas, oportunizando-nos novas chances de recomeçar aquilo que não está dando certo.

A gente se livra ao ultrapassar os limites de nossa zona de conforto, deixando para trás o que nos pesa inutilmente, o que nos faz mal, o que fere nossa dignidade. Livrar-se é buscar um novo emprego, novos amigos, outras moradas, amores fresquinhos, paisagens inusitadas, emoções desconhecidas. É inconformar-se com o que se acomodou de forma insossa, rompendo as barreiras do medo e da hesitação que nos impedem de utilizarmos todo o potencial que nos preencherá a essência na medida exata de nossa felicidade.

É necessário, pois, sabermos que, ainda que certas rupturas pudessem ter sido evitadas em nosso favor, muitas perdas implicarão ganhos imensuráveis, no tempo e na hora certa. Por mais desoladora que seja a situação, haveremos de vencer a desesperança, o desânimo e a negatividade, renascendo das intempéries cada vez mais fortes e humanos, com uma visão de mundo mais madura e segura. Certamente, ainda haveremos de olhar para trás com uma grata satisfação por tudo o que nos aconteceu e que nos deu a oportunidade de nos tornarmos quem somos, apesar de – e por causa de – todas as escuridões em meio às quais nossa luz interior se fortaleceu para nos guiar de volta, sempre em direção à felicidade.



Postado em Conti Outra 


 

Dom Orvandil : Aécio Neves



Imagem relacionada






Resultado de imagem para Aécio e Moro



Resultado de imagem para Aécio e Moro




Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
"