31 julho 2014

Cores e marcas de batom que estão na moda !








resenha batons matte yes cosmetics maquiagem mate borboletas na carteira-3
Yes Cosmetic





batons1
















blog de moda | maquiagem | make up | Chanel | maquiagem da Chanel | tendencias de make inverno 2014 | Beleza | cabelos | cabelos e maquiagem | sobre beleza | sobre penteados | cosmeticos
Chanel


batons-avon

E agora uma brincadeira. 
Veja se você encontra a forma da ponta de seu batom !
Ela representaria um pouco da sua personalidade ...



A confissão de Aécio prova duas coisas: o estrago eleitoral e sua covardia moral



pinoquio


Fernando Brito

Finalmente, hoje, em artigo na Folha de S.Paulo, Aécio Neves admite que o Aeroporto de Cláudio, junto a sua fazenda, serviu para sua comodidade pessoal, em atividades rigorosamente privadas.

E que a obra (que entre contratos e desapropriação custou, em dinheiro de hoje, mais de R$ 20 milhões) que consumiu farto dinheiro público, por não homologada e sem controle público já há quatro anos, só teve mesmo a serventia de dar-lhe este privilégio.

Mais importante que a semi-confissão do candidato tucano é o que o levou a ela, 11 dias depois de revelado o escândalo pela própria Folha.

Depois de várias gaguejadas e diversos “de novo este assunto?” irritado, Aécio tomou essa iniciativa, sem sombra de dúvida, porque as pesquisas internas do tucanato revelaram o estrago que isso fez em sua campanha.

Não foi um ato de honestidade, de quem quer e pode sustentar as atitudes que tomou.

Fosse assim, não teria se evadido de dizer, antes, o que diz agora.

O fez por três fatores, todos sem qualquer dignidade.

O primeiro é que sabe que existem provas deste uso. Não se descarte, até, que tenha sofrido ameaças de que elas seriam reveladas.

O segundo é que só tomou esta atitude depois que as pesquisas eleitorais internas do PSDB mostraram que o estrago não apenas era grande como está se agravando à medida em que o conhecimento da situação se amplia.

O terceiro, mais grave e por isso capaz de continuar ceifando o seu prestígio e o respeito pessoal que possa ter, é o que se provou um homem moralmente covarde.

Precisou ser exposto diariamente às suas contradições e omissões – ou, pior ainda, ser ameaçado por alguém que tinha provas do uso do aeroporto – para confessar que fez, por diversas vezes, uso particular da pista que a ninguém mais servia.

Depois disso, quem acredita na já implausível afirmação de que a obra milionária se justificava pelo “grande pólo industrial” que é aquele município de menos de 30 mil habitantes? Ou que o negócio entre o Estado e o tio, que tinha os bens bloqueados, não foi bom pela família, até porque parte do depósito já foi levantado pela tia, num processo tumultuado de separação e com, inclusive, uma ação de interdição por um dos filhos?

Aécio abaixou o bico.

Diante da mentira que pregou, durante 11 dias, a todo o país e à imprensa, desqualificou-se moralmente para dizer qualquer coisa.

A confissão tardia e cínica não lhe perdoa, exatamente porque é tardia e cínica.

Ficou do tamanho que é: um herdeiro de oligarquias, que controla e uso o poder que o sobrenome foi lhe trazendo e que trata o exercício do poder com a mesma irresponsabilidade que lhe valeu a fama de playboy mimado.

Resta saber o que vão fazer com ele: se é melhor deixar que o fracasso recaia sobre sua inconsistência moral ou se tentarão uma muito improvável nova via para disputar as eleições.

O aeroporto de Cláudio foi sua bolinha de papel. E essa, sim, capaz de provocar um estrago imenso.


Postado no blog Tijolaço em 31/07/2014


Desenhando para compreendermos : Estados Unidos e Israel contra a Palestina !






30 julho 2014

Refuseniks: a ousadia de afirmar outro mundo possível






Refuseniks

Jovens israelenses pagam com prisão a recusa de ingressar no exército atuar além das fronteiras de 1967, reconhecidas pela ONU como legítimas 

Por Natan Blanc* (tradução de Katarina Peixoto), no Diário Liberdade

Palestina - O movimento surgiu em meio aos bombardeiros entre Israel e o Líbano, em 1982, quando pilotos da Força Aérea Israelense decidiram não bombardear civis e não tomar parte em operações militares fora de Israel.

De 1982 para cá, os refuseniks cresceram e criaram uma rede internacional de solidariedade, que hoje em dia conta com uma rede de financiamento para ajudar às famílias dos “refuseniks” que, além de enviados a prisões militares, perdem o direito ao soldo.

A primeira geração de “refusenik” é fundadora do estado de Israel e tem dentre os seus mais ilustres membros o escritor, falecido em novembro do ano passado, Peretz Kidron. Kidron, de origem austríaca e militante de toda a vida da esquerda sionista, era membro da Força Aérea e protagonizou o movimento de recusa de tomar parte nos ataques que “cruzaram a linha vermelha”, na linguagem deles, contra as populações civis no Líbano.

Desde meados dos anos 1980, ele e os seus companheiros de resistência criaram o movimento Yesh Gvul (“Há um limite”), e inspiraram muitos outros militares a não ultrapassarem a linha que é de direito israelense.

A segunda onda de “refuseniks” surgiu, não por acaso, por ocasião da Segunda Intifada, que irrompeu durante o governo de Ariel Sharon. Também em 2006, na operação que resultou num ataque ao sul do Líbano, uma nova geração de refuseniks se organizou e, agora, seis anos depois, novos refuseniks, mais jovens, manifestam sua disposição de ir para a prisão militar, mas não combater e não tomar parte nos combates além da linha verde.

O jovem Natan Blanc, de 19 anos, seguiu para a prisão neste domingo (18) porque se recusou a tomar parte neste novo ataque a Gaza. “Como cidadãos e seres humanos, temos um dever moral de recusar a participar desse jogo cínico. É por isso que eu decidi recusar entrar para o Exército Israelense em 19 de novembro de 2012″‘, diz o jovem em uma carta que denuncia a “onda de militarismo agressivo” em Israel.

A carta de Natan Blanc foi publicada pelo blog Blog The Leftern Wall do escritor e poeta israelense e estadunidense, Moriel Rothman, que mora em Jerusalém e saiu há pouco da prisão militar por ser um “refusenik”.

Moriel tem 23 anos e já cumpriu sua pena por ter se recusado a servir, em outubro deste ano. Os “refuseniks” são os cidadãos israelenses que se recusam a ingressar nas Forças de Defesa de Israel para atuar além da fronteira da linha verde, que é a fronteira reconhecida pelas Nações Unidas como legitimamente pertencente ao Estado de Israel, e que datam de 1967.

No blog de Moriel Rothman, está a carta de Natan Blanc, 19 anos, que neste domingo (18), segue para a prisão, porque se recusou a tomar parte neste ataque a Gaza.

Segue a carta de Natan:

“Eu comecei a pensar em recusar a tomar parte no exército israelense durante a operação ‘Chumbo Fundido’ em 2008. A onda de militarismo agressivo que varreu o país, então, as expressões de ódio mútuo e o vácuo de conversas a respeito do caráter de nosso terror e da criação de um efeito de dissuasão, sobretudo, impulsionaram minha recusa.

Hoje, depois de anos cheios de terror, sem um processo político [por meio de conversações de paz], e sem tranquilidade em Gaza e em Sderot, está claro que o governo Netanyahu, assim como o de seu antecessor, Olmert, não estavam interessados em encontrar uma solução para a situação existente, mas, antes, em preservá-la.

Do ponto de vista deles, não há nada errado em iniciarmos a “Operação Chumbo Fundido 2″ a cada três ou quatro anos (e então a operação chumbo fundido 3, 4, 5 e 6): nós falaremos em dissuasão, nós vamos matar algum terrorista, nós perderemos alguns civis em ambos os lados, e nós prepararemos o terreno para uma nova geração cheia de ódio de ambos os lados.

Como representantes do povo, os membros do gabinete não têm qualquer dever de apresentarem sua visão para o futuro do país, e podem continuar com esse círculo sangrento, sem fim à vista. Mas nós, como cidadãos e seres humanos, temos um dever moral de recusar a participar desse jogo cínico. É por isso que eu decidi recusar entrar para o Exército Israelense em 19 de novembro de 2012″.

*Natan pode ser contatado neste email nathanbl@walla.com

Peretz Kidron

Natan Blank

Moriel Rothman


Postado no site Outras Palavras em 22/11/2012


Bicicleta é o veículo que deixa as pessoas mais felizes



O interesse por bicicletas aumentou muito no Brasil nos últimos anos. As cidades, ainda que de forma lenta, vão se equipando com ciclovias visando promover o meio de transporte mais cool do momento.

Em São Paulo, por exemplo, a prefeitura anunciou que construirá 400 km de vias exclusivas para bicicletas na capital até o final do mandado de Fernando Haddad.

Isso é ótimo para as cidades. As bicicletas são um meio de transporte muito mais interessante para a comunidade do que os outros veículos particulares. Poupa-se espaço, neutraliza a emissão de gases tóxicos na atmosfera e promove a saúde.

Além disso, as pessoas que optam pela magrela são mais felizes do que aquelas que escolhem outros meios de transporte. Pelo menos é o que indica um estudo recente publicado no jornal Transportation.

A pesquisa foi realizada na Universidade de Clemson e utilizou dados da American Time Use Survey, que mede a quantidade de tempo em que as pessoas passam nas mais diversas atividades. A ideia era determinar como as pessoas se sentem ao se transportarem em diferentes meios de locomoção.

Segundo Eric Morris, principal autor do estudo, “as pessoas ficam mais bem humoradas quando estão andando de bicicleta do que em qualquer outro meio de transporte”.


Postado no site Diário do Centro do Mundo em 30/07/2014








28 julho 2014

Palestina livre é a causa moral do século XXI



Jovens em todo mundo começam a se manifestar e a se pintar pela libertação da Palestina; em alguns casos, declaram seu amor a Gaza; vítimas de bombardeios e de uma situação comparável ao apartheid sul-africano, os palestinos ganham a solidariedade global e o apoio de países como o Brasil; na carta de agradecimento da OLP, destacou-se que o Brasil "enviou uma mensagem a muitos membros da comunidade internacional de que a responsabilidade de proteger um povo ocupado vai além de simples declarações"; Brasil e jovens de várias capitais do mundo estão "do lado certo da história".

A morte de um menino palestino de 4 anos, atingido pelo disparo de um tanque israelense, é a primeira registrada desde o início da trégua humanitária concedida por Israel, após pressões do mundo inteiro, no fim de semana, na faixa de Gaza. O pequeno Samih Ijneid morreu junto com outras três pessoas, provavelmente de sua família, quando a casa em que vivia, em Jabaliya, foi destruída pelo morteiro.

Com 1.054 mortos entre a população palestina, até o cessar-fogo em vigência, e 46 baixas no exército de Israel, o massacre na faixa de Gaza isolou mundialmente o governo sionista do primeiro-ministro Benjamin Netanyahu. 

Mostrado em todos os seus detalhes por imagens e textos que chocaram o mundo em tempo real, o ataque desproporcional que atingiu, indiscriminadamente, crianças e a população civil, teve todas as reações diplomáticas conhecidas – com a manifestação do presidente dos EUA, Barack Obama, em telefonema a Netanyahu, pedindo a suspensão da matança, insustentável do ponto de vista humanitário, moral e ético.

Antes, o Brasil fez uma veemente condenação do motivo e dos meios usados por Israel para responder a problemas de convivência na pressionada faixa de Gaza e suas fronteiras que, de resto, foram avançadas pelo uso da força.

Após a manifestação brasileira e o recrudescimento dos ataques de Israel, o Conselho de Segurança da ONU, que vinha examinando o assunto, aprovou pedido de trégua "duradoura" em Gaza, baseada em uma iniciativa do Egito, segundo a qual o fim das hostilidades abre o caminho para negociações sobre o futuro de Gaza, incluindo a abertura das fronteiras do território. 

O pedido solicita ainda que a pausa nos combates ocorra em função do feriado muçulmano de Eid al-Fitr, que deve começar nos próximos dias, e se estenda depois disso.

Mas mais do que os diplomatas podem fazer, entre a dubidiedade americana após declarado e a solidariedade de pronto prestada pelo Brasil, é na população de diferentes países que a causa do Estado da Palestina está ganhando expressão. 

A bandeira palestina já vai sendo vista nas mãos, nas roupas e nas caras-pintadas de cidadãos de diferentes nacionalidades. Em Paris, no final de semana, entre manifestações violentas, como depredações marcadas pela queima de bandeiras de Israel, também houve espaço para o protesto pacífico.

Muitos jovens pintaram no rosto o vermelho, o branco, o preto e o verde que aglutinam o povo palestino sob sua bandeira.

A discussão sobre o direito dos palestinos a terem seu próprio Estado – seja onde for -, extrapolou outra vez os salões da ONU – cujo Conselho de Segurança condenou Israel – para tomar as ruas e o corações das grandes cidades do mundo. Essa guerra, o louco Netanyahu jamais vai ganhar.


Postado no site Brasil247 em 28/07/2014


PORTO ALEGRE-RS, BRASIL, 16.07.14; Federação Árabe Palestina faz Vigília pela Palestina, contra o genocídio israelense na Faixa de Gaza, no Largo Glênio Perez, Mercado Público de Porto Alegre. Foto Eduardo Seidl/Fototaxia.com.br
Porto Alegre - Brasil

PORTO ALEGRE-RS, BRASIL, 16.07.14; Federação Árabe Palestina faz Vigília pela Palestina, contra o genocídio israelense na Faixa de Gaza, no Largo Glênio Perez, Mercado Público de Porto Alegre. Foto Eduardo Seidl/Fototaxia.com.br
Porto Alegre - Brasil

PORTO ALEGRE-RS, BRASIL, 16.07.14; Federação Árabe Palestina faz Vigília pela Palestina, contra o genocídio israelense na Faixa de Gaza, no Largo Glênio Perez, Mercado Público de Porto Alegre. Foto Eduardo Seidl/Fototaxia.com.br
Porto Alegre - Brasil

Porto Alegre - Brasil

VigiliaPalest6552ES160714 (500x334)
Porto Alegre - Brasil

Manifestação pela paz entre Israel e Palestina no parque do Ibirapuera
São Paulo - Brasil

França

Indonésia

Espanha

Estados Unidos

Estados Unidos




27 julho 2014

Pedir ajuda, você sabe?



Valéria Bastos

Como é difícil pedir ajuda às vezes. Aprendemos tanto com a autossuficiência e o individualismo que perdemos o jeito de pedir ajuda. Sentimos vergonha e acanhamento, ou sentimos orgulho mesmo. Orgulho para o outro não saber o que você está passando, ou para a sua imagem não ficar arranhada.

Construímos autoimagens idealizadas de nós mesmos e nos identificamos com elas. Imagens de uma pessoa que se resolve bem, lida bem consigo mesmo e com suas dificuldades. Talvez a imagem de uma pessoa forte, que todo mundo pode contar com ela para o que der e vier. A imagem de alguém que entende de tudo e tem solução para tudo. A imagem de alguém que não se deixa abater pelas circunstâncias da vida, ou de alguém que sempre se virou sozinho e nunca teve apoio e agora é que não vai ter.

O fato é que essas imagens vão sendo estruturadas ao longo da vida e a pessoa se torna refém delas. Não consegue mais se desvencilhar de tais comportamentos que confirmam essa imagem e quando uma situação acontece, atua aquele personagem automaticamente.

Enquanto isso, vai se fechando mais e mais em seu casulo de autossuficiência solitária e quando menos percebe, cadê o apoio das pessoas? Claro, todo mundo sumiu, ninguém nem pensa que você precisa de ajuda para alguma coisa. Parece até um afronta lhe perguntar: quer ajuda? A resposta é sempre a mesma: não, está tudo bem...

O orgulho, que está encoberto pela imagem de autossuficiência é uma das características do eu inferior que mais nos causa problema. Quando estamos submetidos a ele, encobrimos muitos sentimentos como o medo, a vergonha, o complexo de inferioridade, o não saber das coisas, a impotência, o fracasso, a insuficiência, as perdas, os recalques, os vícios, a incompetência, a vaidade, a humilhação, a exclusão.

Mas, como é muito difícil encarar essas emoções que machucam demais, a couraça do orgulhoso começa a se formar para se proteger. Então, o orgulhoso nunca pede nada, nunca precisa de nada e sempre é melhor que o outro em tudo.

Conhece alguém assim? Se conhece, veja bem como ele atua e procure perceber o que ele esconde. 

Se esse alguém é você, faça uma lista das coisas mais difíceis de encarar em si mesmo, aquilo que mais o ofende, causa-lhe raiva ou o deixa triste. Pergunte-se quando esse sentimento surgiu na sua vida, faça uma retrospectiva, vá longe, lá na infância, perceba como isso foi reforçado ao longo dos anos. 

Peça de verdade para ir à origem dessa dor, ir ao núcleo, onde você sentiu que perdeu algo importante e a partir dali começou a forjar um novo eu para lidar com aquela dor. Ao chegar ao núcleo, perceba a promessa que você se fez e observe se até hoje você está agindo de acordo com ela. Nesse momento, terá duas opções, continuar no seu casulo ou sair dele e deixar o passado pra lá. Você escolhe.

Se resolver abandonar a casca, olhe para as pessoas amigas que lhe ofereceram ajuda e você se negou a receber. 

Comece a ver o outro lado agora, exercite esse pedido, abra-se para a troca, para se doar também. Veja como é bom, como é agradável sentir o apoio e dar apoio. Como é caloroso e nos dá um senso de acolhimento e pertencimento. Como sentimos que estamos juntos, unidos, fazendo parte. 

Como o estado de separação se dissolve e a ideia de eu melhor que outro se revela ilusória e transitória. Perceba o ciclo da vida, um dia lá, outro dia cá. Veja que nada permanece igual o tempo todo. Hoje você dá, amanhã você pede. 

É um fluxo, a vida segue esse fluxo, tudo no universo segue esse fluxo da interdependência das coisas. É bom não resistir a isso, é bom fluir com a vida. Fica mais leve, mais fácil, mais gostoso. Vamos exercitar?


Postado no site Somos Todos Um


Um Cavalo de Troia






Aécio Neves, um Cavalo de Troia 

Editorial do site Vermelho


Desde a definição de sua candidatura à Presidência da República não é possível ouvir Aécio Neves fazer uma proposta concreta útil ao Brasil, à sua soberania e desenvolvimento, menos ainda ao bem-estar do povo e ao progresso social. 

Nas entrevistas que concede, quase sempre a veículos comprometidos com sua candidatura, Aécio intercala ataques à presidenta Dilma Rousseff com platitudes aparentemente sem maiores consequências. 


Aécio parece um pastel de vento, alguém sem conteúdo, mas não é. O PSDB e seus aliados têm um programa para Brasil: a regressão aos tenebrosos tempos de neoliberalismo, a genuflexão às grandes potências, os ataques aos direitos sociais. Menos salário para os trabalhadores, menos investimento na educação e na saúde, menos democracia para os que lutam. 

Por trás da candidatura do PSDB estão interesses muitos poderosos, que saíram do centro do poder com a eleição de Lula em 2002, mas que agem nas sombras, diuturnamente, para voltar a colocar o Estado e o governo a seu serviço. 

Junto com Aécio viriam o desemprego, as privatizações, o sucateamento das universidades, o descaso com a saúde. Sairiam das sombras as tenebrosas figuras de ternos bem cortados e compromissos bem assumidos com os interesses do imperialismo e da banca internacional. 

Esta realidade aparece nas entrelinhas de seus discursos e entrevistas dadas por Aécio e seus assessores. Por trás de palavras como “eficiência”, “choque de gestão”, “austeridade”, pronunciadas pelo senador mineiro ou por seus sequazes, estão a volta aos tempos de Fernando Henrique Cardoso, quando o patrimônio nacional, os direitos sociais, os investimentos em educação e saúde, foram sacrificados em benefício da banca internacional e nacional. 

Não é à toa que o Banco Santander, instituição estrangeira que opera em solo nacional em parte graças à privataria levada a cabo pelos tucanos em bancos como o Banespa, mandou um comunicado aos seus clientes mais bem aquinhoados insinuando o voto contra Dilma. E não é preciso haver dúvida: onde ganham os banqueiros perdem a nação, a produção, o consumo, o desenvolvimento nacional. 

O povo brasileiro quer mais mudanças e isso é muito positivo. Aécio não é claro sobre o seu programa justamente por isso, para fingir que sua candidatura atende a este apelo. Mas ele é uma volta o passado, não uma estrada em direção a um futuro que aguarda uma nação como o Brasil. 

Os brasileiros progressistas, comprometidos com a pátria e com o nosso povo não podem se enganar sobre a envergadura da batalha, considerá-la menor ou já vencida pelo campo democrático e popular.

A presidenta Dilma tem uma vantagem importante, mas a máquina de mentiras a serviço dos interesses do imperialismo e da banca é poderosa e trabalha a todo o vapor. Para percebermos isso é só olharmos para o noticiário econômico, que tenta torturar a realidade para dar a impressão de que vivemos uma crise, ou para a manipulação permanente das pesquisas de intenção de votos. 

O momento nacional requer uma grande mobilização, que diga a verdade sobre as realizações destes últimos doze anos e denuncie as mentiras dos que estão ávidos por colocar o país de joelhos novamente. Não há erro maior do que subestimar o inimigo. Menos de setenta dias nos separam do primeiro turno das eleições. É preciso foco e concentração, combatividade e decisão. 

Aécio não é um pastel de vento, apesar das aparências. Está mais para um Cavalo de Troia, instrumento de traição à pátria e aos anseios do povo brasileiro.


Postado no Blog do Miro em 27/07/2014


"A gente somos irrelevantes"





Izaías Almada

Qualquer pessoa medianamente informada sobre a formação econômica, política e cultural do Brasil deve estar se perguntando nos dias que correm qual o sentido das candidaturas de Aécio Neves e Eduardo Campos à presidência da nação.

Afinal já lá se vão mais de quinhentos anos que as caravelas cabralinas aqui chegaram e o país ainda mantém certo ranço colonialista em muitas cabeças, algumas até vivendo de sesmarias. Ambos, Aécio e Campos, são dignos representantes do secular coronelismo e de uma elite que ajudou nesses cinco séculos a colocar o Brasil no rol dos países politicamente irrelevantes, como afirmou o “relevante” e “civilizado” governo israelense.

Entre nós brasileiros a formação de um quadro político se assemelha por vezes à de outras profissões que não requerem especialização ou conhecimentos mais verticalizados de determinados fundamentos e por isso qualquer um de nós pode chegar a ser um político profissional. Ao contrário, por exemplo, de um médico cirurgião que leva anos para aprender a usar um bisturi como deve ser.

Eduardo Campos, não se sabe bem o porquê, resolveu se meter numa eleição que – o mínimo que se pode dizer – é que ainda não era chegada a sua hora e vez. Mal comparando, lembra alguns dos personagens de Shakespeare que misturam inveja, ambição, traição e outras “virtudes” e assim, sem mais nem menos, consideram que estão preparados para o que der e vier. Não sabe de nada, o inocente.

Fica evidente, contudo, que o jovem de olhos azuis, de sua ancestral herança holandesa, deve ter intuído que poderia ser útil para tirar votos da presidente Dilma no nordeste e colocou-se como alternativa à oposição para daqui quatro anos, aliando-se oportunisticamente a uma inexplicável candidata que teve também inexplicáveis 20 milhões de votos nas eleições de 2010.

Já o neto de Tancredo Neves, não passa disso mesmo: continua a ser o neto de Tancredo Neves e ficamos nós sem saber o que é que isso significa no fritar dos ovos...

Como muitos desses ativistas contemporâneos das ruas brasileiras, Aécio e Campos são “contra tudo isso que está aí” e deitam falação a desmerecer os programas sociais do governo Dilma, muitos deles iniciados no governo Lula. E nesse ponto poderemos perguntar a eles: muito bem, o que é que os senhores propõem, então, para melhorar?

Após alguns intermináveis minutos de silêncio, a resposta é: NADA! Nada, nenhuma ideia que se aproveite, nenhum programa econômico ou mesmo social dos quais possamos entender os fundamentos e sua relação com o progresso do país, ao contrário da estratégia de transformação seguida nos últimos doze anos.

O mundo pode estar à beira de uma crise de resultados catastróficos. A frase, recheada de algum lugar comum, revela por um lado o cinismo do já antigo complexo industrial militar e do lobby judaico/americano que o defende com unhas, dentes e armas atômicas. E por outro lado amplia a insensibilidade de muitos países no mundo que se tornam indiferentes ao que se passa a sua volta. 

O carcomido neoliberalismo econômico e seus relutantes defensores aqui e ali embasam, paradoxalmente, no Brasil, a falta de ideias e de programas dos que defendem uma mudança radical numa estratégia de governo que vem colocando o país em lugar de destaque no mundo e, convenhamos, até aqui nunca dantes conseguido.

Colocar entraves a essa estratégia é o pífio objetivo da atual oposição brasileira, conservadora, atrasada em suas ideias (quando as tem), atrelada a uma imprensa que se coloca perversamente na trilha impatriótica e obtusa do “quanto pior melhor”.

O Brasil, em outubro próximo, não pode dar um salto no escuro. Não pode ficar refém daqueles que interna e externamente consideram que “a gente somos irrelevantes”. Porque esses, já perderam a vergonha na cara e o rumo da História.


Postado no Blog do Miro em 25/07/2014



Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...