22 maio 2018

5 frases de Lao-Tsé para refletir



Resultado de imagem para lao-tsé frases

Lao-Tsé é uma palavra chinesa que significa “velho mestre”. É também o nome de um filósofo e pensador que aparentemente viveu no século VI antes da nossa era. Atribui-se a ele a autoria da obra criadora do taoismo, o “Tao Te Ching”, ou Livro do Caminho e da Virtude. No entanto, tudo ao seu redor está cheio de mistérios. De fato, muitos duvidam de que ele realmente tenha existido, mas muitas frases de Lao-Tse continuam sendo compartilhadas nos dias de hoje.


O certo é que os seus ensinamentos ultrapassaram as fronteiras da China. Se era um único homem ou vários, lenda ou mito, pode não importar muito. O que é relevante nesta figura é ter tido a capacidade de traduzir ensinamentos que ainda são válidos, mesmo milhares de anos depois.

“ Com boas palavras se pode negociar, mas para se enaltecer, são necessárias boas obras. ”    –  Lao-Tse  –

Devemos a Lao-Tse um legado de sabedoria. O seu pensamento reflete vários dos princípios essenciais da cultura oriental. É um apelo à prudência, simplicidade e serenidade. Representa uma exaltação à inteligência e à temperança. Aqui estão cinco das mais bonitas frases de Lao-Tse. Frases de Lao-Tse que vale a pena conhecer:

1. Como Lao-Tse via a felicidade

Lao-Tsé refletiu muito sobre a felicidade. Do seu ponto de vista, e muitos séculos antes da chegada da era do consumo, o filósofo oriental desconectou a felicidade dos bens materiais. Uma das suas frases imortais, em que fala sobre o assunto, diz: “Quem não é feliz com pouco não será com muito”.

Esta reflexão visa colocar a felicidade dentro de um quadro em que não depende do que você tem. Desta forma, ter pouco não é sinônimo de miséria e ter muito não é sinônimo de ser feliz. O bem-estar é atingido por realidades que não têm nada a ver com os bens. A felicidade e a infelicidade estão dentro de nós, não em tudo o que nos rodeia.

2. Sobre a rigidez e a flexibilidade

Muitos falam da firmeza e da rigidez como uma grande virtude. No entanto, essa perspectiva não condiz com a lógica de tudo o que está vivo. Se existe vida, há mudanças. E se houver mudança, as adaptações devem ocorrer necessariamente. Em vez de nos plantarmos como aço, o que a vida exige de nós é “fluir como a água”.

Lao-Tsé também nos deixou essa maravilhosa reflexão sobre este assunto: “ Na vida, o homem é elástico e evolui. No momento da morte é rígido e imutável. As plantas ao sol são flexíveis e fibrosas, mas morrem secas e rachadas. É por isso que a elasticidade e a flexibilidade estão associadas à vida e a rigidez e a imutabilidade à morte.”

3. Amar e ser amado

Muito antes das doutrinas humanistas aparecerem e se tornaram populares, Lao-Tsé oferecia uma visão do amor como poder. Ele enfatiza a profunda diferença entre amar e ser amado em uma das suas frases: “Ser profundamente amado lhe dá forças, enquanto amar alguém profundamente lhe dá coragem”.

Há uma diferença sutil, mas importante entre força e coragem. A força pode ser definida como a capacidade física ou subjetiva de fazer algo. A coragem, por sua vez, refere-se a decisão de fazê-lo. A força é poder fazer. A coragem é querer fazer. Existe uma constelação emocional de diferença entre um conceito e o outro. Enquanto a vontade leva ao poder, o contrário nem sempre acontece.

4. O desejo e a frustração

Os orientais são muito enfáticos na sua rejeição pelo desejo. Eles o consideram a fonte de muitos sofrimentos. A sua filosofia se concentra mais na capacidade de renunciar ao que você tem, ao invés de buscar aquilo que deseja. Fiel a esta filosofia, Lao-Tsé faz a seguinte reflexão sobre isso:

“Quem não deseja, não se frustra. E quem não se frustra, não se avilta. O verdadeiro sábio espera na quietude, espera tranquilo enquanto tudo acontece. Dessa forma, sentimos paz, harmonia e o mundo segue o seu curso natural”.

Para os ocidentais, esse pensamento pode parecer absurdo. Nas nossas sociedades a ambição é uma fonte de crescimento e progresso. No entanto, a realidade atual nos mostra que o desejo pode ser um poço sem fundo, que nunca é satisfeito.

5. Lutar ou recuar

O Oriente é o berço das artes marciais. Mas, paradoxalmente, a maioria das artes marciais tem como princípio básico evitar o combate. A maior sabedoria que a guerra traz é precisamente a necessidade de se esforçar para evitá-la. Lao-Tsé afirma: “O livro do estrategista diz: Não provoque a luta, aceite-a; é melhor recuar um metro do que avançar um centímetro”.

O pensamento e as frases de Lao-Tsé são certamente grandes presentes de sabedoria. Não só oferecem uma referência para as artes de “viver bem”, mas também usam a linguagem da poesia para transmitir seus ensinamentos. Temos muito a aprender com esse personagem milenar que parece hoje mais vivo do que nunca. 









Resultado de imagem para lao-tsé frases



Resultado de imagem para lao-tsé frases


Imagem relacionada


Resultado de imagem para lao-tsé frases


Resultado de imagem para lao-tsé frases







21 maio 2018

Vídeo : Ana Cañas lança a canção “ Viverei ”, em homenagem a Lula



Resultado de imagem para ana cañas e lula
Ana Cañas com Lula






“ Viverei ”  (Ana Cañas)

Mesmo que me falte o ar
Não me calarei
Mesmo que tirem o chão
Em pé ainda estarei

A luta é coração que sangra
Bate forte a esperança
De um povo que quer o seu direito
Todo respeito
E eu só lhe tenho amor

Podem me julgar além da lei
Podem me prender, eu andarei
Podem inventar o que nem sei
Podem me matar, eu viverei

A igualdade é uma ideia
Que nunca se aprisiona
Tem a veia aberta
Da gente que sonha
A liberdade é a glória
Da nossa imensa voz
Guarda na memória
É a história
Eles e nós



Postado em DCM em 21/05/2018




19 maio 2018

Sorrir faz bem !



Nenhum texto alternativo automático disponível.









A imagem pode conter: 1 pessoa


A imagem pode conter: texto


A imagem pode conter: texto


Nenhum texto alternativo automático disponível.


A imagem pode conter: 1 pessoa


Nenhum texto alternativo automático disponível.


A imagem pode conter: texto



O título mais valioso que você pode ter é o de ser uma boa pessoa



Imagem relacionada




O título mais valioso que você pode ter é o de ser uma boa pessoa. Este título, obviamente, não se concede na escola ou na universidade, mas sim ao longo do nosso trajeto na vida. Então, seja quem for, se seus valores não forem bons, isso se verá refletido em suas atitudes.

Contudo, neste sentido cabe destacar que se pensamos que sempre devemos “dar o melhor”, entraremos em um ciclo complicado de sair, pois nem sempre é possível semear a bondade e fazer o certo já que as características psicológicas dificilmente podem ser conceituadas de forma polarizada.

O que quero dizer é que às vezes o correto segundo nossos próprios valores implica algum tipo de sofrimento que não desejamos e que, obviamente, não é bom. Mesmo assim, ser uma boa pessoa requer minimizar o dano em prol da situação, quando este for inevitável.

A capacidade de trabalhar e de amar são dois indicadores maravilhosos

Como disse uma vez Sigmund Freud a seu discípulo Erik Erikson, a capacidade de trabalhar e de amar são dois indicadores maravilhosos da conquista da maturidade plena. O bom desempenho nestas duas parcelas vitais se constrói fielmente através da nossa própria inteligência emocional.

Por isso, não estranha que, como disse Howard Gardnerd, “uma pessoa ruim não possa ser um excelente profissional”. Realmente a bondade pessoal se observa na confluência de uma série de valores que nos ajudam a ser melhores com nós mesmos e com aqueles que nos rodeiam.

Contudo, para evitar cair no mero sentimentalismo carente de autocrítica, devemos ter clareza de que nossa própria balança não deve ter a tendência de pensar que tudo se soluciona através do diálogo, da tolerância e da solidariedade. Contudo, também não é adequado pensar que a força e a intolerância são o caminho adequado para resolver os problemas.

O bom e o mau, o ying e o yang, o branco e o preto coexistem e estruturam nosso mundo e nossas próprias personalidades. Sendo assim, ser uma boa pessoa deveria ser entendido como um equilíbrio de forças baseadas em nossos valores e, portanto, no respeito mútuo.

Não ganhamos nada pensando que somos santos e os outros uns demônios. Não ganhamos nada pensando na vitimização crônica que faz com que o resto das pessoas sejam carrascos dos nossos males.

É mais inteligente emocionalmente falando não confundir tolerância com bondade, pois estaríamos equiparando-os a termos como a resignação e outros conceitos derivados das palavras que caracterizam a autoajuda. Isto não implica um benefício direto, mas sim, como falamos, nos leva a um ciclo insano.

O que é ser uma boa pessoa?

Quando faço referência a “ser uma boa pessoa”, me refiro a ser uma pessoa com dignidade e bons valores, e não a ser alguém que se deixa sufocar. Temos uma série de direitos assertivos que precisamos ter sempre presentes para valorizarmos a nós mesmos e aos outros:

O direito de ser tratado com respeito e dignidade.

O direito de ter e de expressar os próprios sentimentos e opiniões.

O direito de ser ouvido e levado a sério.

O direito de julgar as minhas necessidades, estabelecer as minhas prioridades e tomar as minhas próprias decisões.

O direito de dizer “NÃO” sem sentir culpa.

O direito de pedir o que quero, percebendo que o meu interlocutor também tem direito de dizer “NÃO”.

O direito de mudar.

O direito de cometer erros.

O direito de pedir uma informação e de ser informado.

O direito de obter aquilo pelo que paguei.

O direito de dizer sem ser assertivo.

O direito de ser independente.

O direito de dizer o que fazer com os meus bens, corpo, tempo, etc…, enquanto não forem violados os direitos de outras pessoas.

O direito de ter sucesso.

O direito de ter prazer e aproveitar.

O direito ao meu descanso, isolamento, sendo assertivo.

O direito de me superar.

Assim sendo, se olharmos bem, podemos ver como a assertividade nos ajuda a manter nossos valores à risca e a preservar a dignidade pessoal e alheia. Respeitar nossos direitos é a melhor garantia na hora de sermos boas pessoas e equilibrarmos nossa personalidade e nosso caráter.

Esta titularidade não se consegue passando pela universidade, mas sim examinando a si mesmo e realizando um trabalho interior que avalie o choque entre nossos próprios valores e nossas inquietudes. Isto é, fazendo valer a dignidade e os direitos de todos e colocando à prova nossa própria ética e nossa moral (mesmo que isto implique entrar em conflito).


Fonte indicada: A Mente é Maravilhosa 



Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...